quando hoje
tu me disseste
sobre o amor,

eu ouvi
o som
do mar.


e por um segundo
invadiu-me um oceano.



existem muitos de nós por aí.

infinitos,
olhos grandes
a olhar o mundo
da mesma
janela.






quando não estás
a figura tua
não existe.

nada mais está.

é doído.

pensar,
que a única coisa
que me entregas,
é o teu estado físico.

fora dele,
nem o verbo
existe.






corre no mar a tua sombra 
me fazendo entender 
que a vida junta a gente por aí 
e como pode, eu que nunca mais te vi 
sonhar ainda com a tua luz?







a ausência tua
é algo entre o céu e a terra.

intangível,
a tua figura
transpassa
todas
as zonas
do meu
tato.